Os conteúdos expostos nesta página não têm fins lucrativos. Temos como único objetivo manter vivo o legado de Michael Jackson.

quarta-feira, 16 de maio de 2012

SIMULCHAT MICHAEL E FÃS (NA ÍNTEGRA - AGOSTO DE 1995)


 TEXTO ORIGINAL

Speaker: Michael's here...we're just about ready to go!
MsMittens: Someone who couldn't access the chat, asked me to ask you how you are doing, and why are you doing this simulchat tonight?
Michael: I'm fine, doing alright. I'm doing this simulchat because I love my fans and I want to talk with you! I think this is incredible technology, just amazing, and I think we're pioneering here! Can I say hello to a couple of my friends? Hello Lisa Marie...Hello Paul McCartney...Hello Mrs.Disney...Hello to my friends in Gary, Indiana...I can't think of a good joke to say!
 
Brandon: I have been a longtime fan and I just want to know how after all the bad press you can keep going and doing the best job that any rock star can do? Is the fact that you have such a wonderful wife supporting you, or are there other reasons that you stay so damned great?!
Michael: Despite what the press says about celebrities and myself in general I move ahead, I don't pay attention to that tabloid junk. I have my dreams I'm a visionary. I feel as if I have a suit of armor around me, like a rhinocerous skin. Thank you for asking.
 
Bruce Ross: How has your marriage to Lisa Marie changed your life?
Michael: I think I find it more fun to appreciate what family really means. The fact that even though there were ten of us Jacksons...we were always doing things at different times, and I'm really learning the real meaning of love. Giving 100% of yourself all the time. Putting up with one another. So far it has been pretty joyous.
 
Sam: A story in the UK press claims a quickie divorce on the way. Is it true?
Michael: Never believe tabloid garbage. Don't waste your time, don't waste your money. No, it's not true. If you hear it from my lips, then you can believe it. But no, it's not true.
 
SiBiS: In Oprah's interview you said that you wanted to raise a family one day. Do you plan to do so?
Michael: Yes. That's my dream for a long time. My own children, I want to adopt them. Not only my own, but children from all over the world. I think we should be less territorial about it.
 
Kurt: How did you like working with your sister Janet on the "Scream" video and your beautiful wife Lisa Marie on "You Are Not Alone"? P.S: Best of luck to you two, don't listen to all the B.S going around!
Michael: That's a great question. The press creates all of these negative stories so people will buy their magazines or read their columns. You mustn't read everything you read. Most of it is not true, most of it's garbage. And I want everyone to be aware of what the tabloid media is like. I have had so much fun working with my sister and working on the set everyday. I haven't seen her in quite some time and she is busy and I am as well and it's like a reunion. I'm closest to Janet of all the family members. We were very emotional on the set. We laughed, we cried, we had a lot of fun. Everyday she'd come to me sad because of something in the press. I told her she'd just have to become resiliant. I had a lot of fun with Lisa Marie on the set. But when the director said, "Action", she became very shy. I was giving her a hard time too!
 
Daniel: If you could meet someone, dead or alive, and talk with them for an hour, who would it be and why?
Michael: It would probably be Michaelangelo because he was a phenomenal artist. I think I understand what he was trying to say, even though he was criticized. He was a true artist. He even disected cadavers, which was illigal at the time, because he wanted to get everything anatomically correct. I would have loved to sit and talk with him.
 
Al & Meg: We want to know what was it that inspired you to become involved in helping as many children as you do. I think what you do is just wonderful. You are what these children need to keep them going when times are so tough.
Michael: I truly care about children, and about the future for our children. I'm a little frightened about what the future is going to bring. I truly, truly love them and care about them. I will always help them. When I go on tour, I visit hospitals, terminally ill children. At my ranch at Neverland we have many terminally ill children as our guests. We do this every few weeks. We do it because we truly love them and we care.
 
Farfly: I was wondering if we'll see you in any old style videos and movies like "Thriller" and "Moonwalker"?
Michael: I love that, that's what I'd love to get back to doing. It's not just a video, with images and graphics, it's a short story, with a beginning, middle and end. But it take sometimes 6 or 7 months to do those. But it's my dream to do that. I'd like to make this announcement: My nephews are here and they want to sit in and listen!
 
From Alaska: You seem to be interested in many cultures. Have you ever studied the North. I live in Inupiat eskimo village at the top of Alaska. Life is different here. If you ever visit here, the people might inspire you. Do you ever travel for inspiration?
Michael: Yes I do travel for inspriation. I would love to come to Alaska some day. I've flown over it! I do love to travel. Maybe if you extended invitation, I'd be able to come!
 
Frogbelly: In your song "Childhood" you sing about how you've never really known the joys of youth. What is the one thing you missed the most?
Michael: Probably the simple, little things that kids do...like having a friend over, or going to the park, of trick-or-treeting, or Christmas, or a birthday. When we were little, we didn't have any of those things - we heard about them but never did them. Most kids take it for granted. I haven't celebrated my birthday yet, but I think maybe I will!
 
Applehead: It's one of Applehead's friends, guess which one...hint Family Matters...What is your favorite song on the HIStory album? Tell Lisa Marie and Janet I said hi!
Michael: I know exactly who that is! (laughter in room) My favorite song is, gee it's hard...probably "Childhood", "Earth Song" and "Stranger In Moscow". But nice to hear from you Brighton, I hope I get to see you soon. Tell all my other realtives I said hello.
 
Mr. Potter: Do you ever wish you could play small rooms with intimate audiences instead of maga productions?
Michael: Yes. I think that is the mark of a true performer, to be able to reach any audience around the world, any size. If you can directly relate to a small group, magic starts to happen. I started out playing those kinds of concerts. This Christmas, I'm doing an HBO special, and it's intimate. It's close-up. It will allow me to do a lot of things I've never done before.
 
Gary: I would like to know what is the favorite song you have recorded and do you still have your pet monkey named Bubbles who was shown in your video game.
Michael: If I had to pick one song, that's very difficult. Probably "Ben", "Got To Be There", one of the oldies. Bubbles is still alive and still my pet chimp. He's bigger, like to eat a lot...lots of pizza, ice cream...he loves snacks!
 
MJJ: What else do you want to accomplish in your life?
Michael: I love movies. My dream is to make films, not only to act in them, to direct them as well. And I love animation.
 
Brett: If you could be any superhero...like Batman, Superman...whom would you choose to be and why?
Michael: I like Batman a lot. If I could choose one, I like Morph from the X-Men. He constantly transforms himself. I think he can even teleport, which is interesting and exciting to me. He's not as popular as the others, but he's exciting.
 
Darkan: Are you ever going to tour America?
Michael: I'm not exactly sure. We kind of play it by ear, kind of spontaneous. It would be nice, but I'm not sure.
 
Jim: I want to know if you wish you could walk into public places and not be recognized?
Michael: I have every diguise I can think of. My dream is to just go anyplace...like Morph...to transform, so nobody would know who I am. I would love to do that. It's my dream.
 
Ally W: Hi Michael. You have an amazing voice. Whose music has helped influence your music most?
Michael: Thank you for the compliment. To be honest, I would say my first love and appreciation for music was classical. In kindergarden, Tchaikovsky, the great writting of Richard Rodgers and Oscar Hammerstein, and others. I love showtunes.
 
Brian: Is your new album doing as well as expected? Go MJ!!!
Michael: Yes, I am overly excited about how well the album is doing. It is the fastest selling album in my career. Despite what the press is saying. Unprecedented 7 million worldwide sold in the first week!
 
Jocelyn: When will the 3T album be in the store?
Michael: The 3T are expected around this Christmas. They're going to be very successful.
 
Marlie14: In your interview with Diane Sawyer you mentioned moving out of the country. Is this your future plans?
Michael: Yes it is.
 
Rros: Where is the most favorite place in the world you have travelled to and where would you most like to travel to?
Michael: My most favorite place that I've travelled to probably would have to be between South America and Africa. Because I love the people and I love the culture. The plight of the children is very interesting and I would love to continue to travel...to see more things and to help more people.
 
Blondie101: What inspired you to write the song "Beat It"?
Michael: Quincy Jones, for the album Thriller, asked me to write a song with a rock edge to it. I said yes, I can do that. So, the very same day I went to the recording studio and I literally just started to sing that song. It literally came that fast. Every song is different. The gestation process for "Beat It" was so fast, it was amazing. I thought about what I'd do in that situation...A confrontation with a gang...I wouldn't do what those people would do. The way I was raised I would turn the other cheek without creating a war or being a coward either.
 
Brandon: I come from a large family. Is it hard for you to see the animosity between your sister LaToya and yourself. You seem to be above all the petty gossip that others love to spread. I just want to give you two thumbs up on your maturity.
Michael: Gee - thank you very much! I love you. Thank you.
 
Curveball: Will there be a next album?
Michael: I am not sure. This might be the last album I ever do. I will always create music but I'm not sure if I'll create another album.
 
Midway Gal: How did you get into music?
Michael: I don't think I can answer that without sounding philosophical. We never had music or dance lessons. We were a family that sang all the time. We watched TV. We would entertain ourselves...we would take the furniture out of the living room and dance. I think you're pretty much born with a gift and you're compelled to create. That is what I have always felt. I remember when I was really little there was rain outside and we would make up songs. Janet and I would have a songwriting game while we washed the dishes...while we were cleaning. I think most kids don't do that these days. It was our destiny.
 
Even Beevu: Do you come up with the ideas for all your videos?
Michael: A lot of them I do come up with. A lot of the concepts do originate with me. After singing "Thriller" I knew that I wanted to do a short film. A simple guy goes out on a date and confesses to her that he's different. I wanted to transform into different things. It was fun. I had so much fun making that. "Beat It" is another concept I came up with. Confrontaion - two gangs - West Side Story. I wanted real gang members. I wanted to see real truisms...in the walk, in the character, in the clothes. I think it came across.
 
Pelon: What has been your proudest musical achievement?
Michael: One of them - it is a really difficult question to answer because I am not a woman, but writing a song is like concieving a child. I love all the songs. "We Are the World" is one of the most favorite things that I've done. I am proud of that...it has reached a lot of people, it has touched a lot of people. My secreatry called when I was in the car and said pull over. And it was like a prayer when all of the radio stations played it. I had tears.
 
MJJ: What is your process from going from creating a rhythm on your human voice box to the album version, such as in songs "Who Is It" and "Tabloid Junkie"?
Michael: The process is creating a rhythm to a click track - which is a sound, a timed beat. And you're doing these mouth sounds to that beat. These sounds can be taped according to how you sample it in the computer again and again. This is the foundation for the entire track - everything plays off this. It's the rhythm, like a beatbox rhythm. Every song I've written since I was very little I've done that way. I still do it that way.
 
Smufetty: I love you and have enjoyed your music since I could hear and see. Just one question: How can you keep going when the media makes everything so hard?
Michael: Thank you for your compliment. I believe in my work, like I said, I have great confidence in my dreams. When I have a great idea I have an iron will, even though the media creates such negative stories they do it to just sell more papers. If you look throughout history and I'm not trying to put my name with the names of the past, it's been pretty much the same. Ghandi, Christ, and I'm not saying I'm Christ, I don't want to hear the press saying that. Some of the worst attentions had to do with ignorance on the part of the people because of bad press. If it happened to them, it can happen to me.
 
Tristene: Who is your best friend?
Michael: Pretty much the same as I've said. The children of the world, for their innocence, thier simplicity, and their love. It's the same kind of innocence that I find in animals. They just want you for your love and I love that.
 
MJJ: It is rumored (and I know you hate that word) that you are doing another book. Do you plan on another book, if so, what will it contain?
Michael: I wrote a book called Dancing the Dream. It was more autobiographical than Moonwalk, which I did with Mrs. Onassis. It wasn't full of gossip and scandal and all that trash that people write so I don't think people paid much attention to it, but it came from my heart. It was essays, thoughts, and things that I've thought about while on tour. I'm not planning to write another book anytime soon. If you want to know how I feel, you can check out HIStory. It's a musical book.
 
Gemseeker: When and how did you learn to moonwalk? I think it's sooo cool!
Michael: Thank you soooo much! I've always loved illusion dancing when you can pretty much create a step or illusion with the body. There's a new step that looks like you defy gravity that I've been working on for a long time. One of my favorite movers is Marcel Marceau. But a lot of the steps that I do come from my heart. A lot of the steps come from the black community. From tap dancing, to the cake walk, to the Charleston. All these dances come from the black community to go all over the world.
 
Jamie Ballengee: Mr. Jackson, what advice would you give to someone who is in a similar position with the bad things from the press? My little sister Andrea Ballengee lost her Miss VA crown :-(
Michael: You don't pay attention to it. You become strong, you move ahead. The best advice I can give is to believe in yourself, know there's a tomorrow, walk tall...don't pay attention to the garbage...it's complete ignorance.
 
VanishR29: How do you feel about technology like the internet and it's effect on society?
Michael: I think it is wonderful. It is a wonderful way to correspond. It's growing and this is the tip of the iceberg. In the next year we will see some amazing growths in technology and I hope that I'm around to see it. I pray that we continue to serve the world in a positive way, not a negative way and not hurt anyone, because it's wonderful.
 
MJJ: How involved are you with the other groups of the MJJ label?
Michael: I'm very much involved, not to the point of always being there, but listening to tapes, collaborating on the telephone, picking artists, recommending ideas. The new 3T album, which I just heard, I think it's going to be a big success. I do believe that.
Michael: I want to say hi to Bill Bellamy in LA - he's a great guy. Thank you! Goodnight everybody. Talk to you soon. Bye!

TRADUÇÃO
Moderador: Michael está aqui. Estmos quase prontos para iniciar. 
Alguém que não pode acessar o chat quer saber como você está e por que você está fazendo este simulchat hoje à noite?
Michael: Estou bem. Estou fazendo este simulchat porque amo meus fãs e quero conversar com vocês.
Acho que é uma tecnologia incrível, e acho que estamos sendo pioneiros aqui.
Posso dizer um alô para alguns de meus amigos? Alô Lisa Marie... alô Paul McCartney... alô sra Disney... alô para meus amigos em Gary, Indiana... Não posso pensar numa boa piada para contar.

Brandon: Tenho sido fã há um bom tempo e só quero saber como, depois de tudo que a imprensa ruim fala, você está fazendo o melhor trabalho que nenhum astro do rock faz? É o fato de que você tem uma esposa maravilhosa te apoiando, ou existem outras razões que te fazem tão grande?
Michael: Apesar do que a imprensa diz sobre celebridades e sobre mim em geral, eu sigo em frente, eu não presto atenção àqueles lixos de tablóides. Eu tenho meus sonhos, sou um visionário. Sinto como se tivesse uma armadura ao meu redor, como uma pele de rinoceronte. Obrigado por perguntar.

Bruce Ross: Como o casamento com Lisa Marie mudou sua vida?
Michael: Eu acho que eu encontrei mais diversão em aprender o que a família realmente significa. Embora eu tenha crescido com meus irmãos, nós sempre estávamos fazendo coisas em horas diferentes, e estou realmente aprendendo o verdadeiro significado do amor. Se doar 100% todo o tempo, estando junto de alguém. Isso tem sido bastante alegre.

Sam: Uma história na imprensa britânica clama um divórcio que está a caminho. É verdade?
Michael: Nunca acredite em lixo de tablóide. Não perca seu tempo, nem seu dinheiro. Não, não é verdade. Se você ouvir os meus lábios, então você pode acreditar. Mas não, não é verdade. 

Sibis: Na entrevista da Oprah, você disse que queria formar uma família algum dia. Você planeja fazer assim?
Michael: Sim. É um sonho antigo. Meus próprios filhos, eu quero adotá-los. Não somente as minhas, mas crianças de todo o mundo. Acho que devemos ser menos territoriais a respeito disso.

Kurt: O que você achou de trabalhar com sua irmã Janet no vídeo "Scream" e com sua linda esposa Lisa Marie em "You Are Not Alone"? PS: tudo de bom para vocês dois, não ouçam todas as bobagens que dizem por aí.
Michael: É uma ótima pergunta. A imprensa cria todas essas histórias negativas para que as pessoas comprem suas revistas ou leiam suas colunas. Não deve ler tudo o que está por aí. A maioria não é verdade, é lixo. E eu quero que todos fiquem cientes sobre o que o tablóide é. Eu me diverti muito com minha irmã e trabalhamos no estúdio todos os dias. Havia muito tempo que eu não falava com ela, ela é ocupada e eu também. Foi como uma reunião. Sou mais próximo de Janet do que qualquer um da família. Fomos muito emocionais no estúdio. Rimos, choramos, nos divertimos muito. Todos os dias ela vinha a mim triste, por causa de algo na imprensa. Eu disse que ela teria de ser resistente.
Me diverti muito com Lisa Marie no estúdio, mas quando o diretor disse: "Ação", ela ficou muito tímida. Foram momentos difíceis para ela.

Daniel: Se você pudesse encontrar alguém, vivo ou morto, e conversar com ele por uma hora, quem seria e por queê?
Michael: Seria provavelmente Michelangelo porque ele foi um artista fenomenal.Acho que entendo o que ele estava tentando dizer e, mesmo assim, ele foi criticado. Ele foi um artista verdadeiro. Ele até desenterrava cadáveres, o que era ilegal na época porque ele queria que tudo tivesse a anatomia correta. Eu teria amado sentar e conversar com ele.

Al & Meg: Queremos saber o que te inspirou a ajudar as crianças. Eu acho isso maravilhoso. Você é o que estas crianças precisam para mantê-las nos tempos difíceis.
Michael: Eu realmente me importo com as crianças e com o futuro delas. Estou um pouco assustado com o que o futuro pode trazer. Eu realmente, realmente as amo e me importo com elas. Sempre vou ajudá-las. Quando estou em turnê, eu visito hospitais com crianças em estado terminal. No meu rancho em Neverland recebemos visitas de crianças assim. Fazemos isto em algumas semanas. Fazemos isso porque realmente nos importamos com elas.

Farfly: Eu estava imaginando se nós veremos você em filmes do estilo antigo como "Thriller" e "Moonwalker"?
Michael: Amo isso, é o que eu amaria voltar a fazer. Não é apenas um vídeo com imagens e gráficos, é uma historinha com início, meio e fim. Mas leva seis ou 7 meses para serem feitos, mas é meu sonho fazer isso. Eu gostaria de fazer um aviso: meus sobrinhos estão aqui e eles querem sentar e ouvir.

Do Alaska: Parece que vocês tem interesse em muitas culturas. Você já estudou o Norte? Eu vivo na  vila esquimó inupiat no topo do Alasca. A vida aqui é diferente. Se você nos visitar, as pessoas podem te inspirar. Você viaja por inspiração?
Michael: Sim, eu viajo por inspiração. Eu amaria ir até o Alasca algum dia. Eu voei sobre ele. Eu amo viajar. Talvez se você extender o convite, eu poderia ir.

Frogbelly: Em sua canção "Childhood" você canta como você nunca conheceu as alegrias da juventude. O que você mais sentiu falta?
Michael: Provavelmente o simples, coisinhas que as crianças fazem, como ter um amigo, ou ir ao parque, participar do Dia das Bruxas, ou Natal, ou um aniversário. Quando éramos pequenos, não tínhamos nada disso. Ouvíamos falar disso, mas não tínahamos. A maioria das crianças tem isso garantido. Eu não celebrei meu aniversário ainda, mas acho que talvez eu celebrarei.

Applehead: É um dos amigos de Applehead, adivinhe qual... diga "Family Matters"... Qual a sua canção favorita no álbum History? Diga a Lisa Marie e Janet que eu disse oi.
Michael: Eu sei exatamente quem é! (risada na sala). Minha canção favorita é, ... é difícil... provavelmente "Childhood", "Earth Song" e "Stranger In Moscow". Mas legal ouvir você Brighton, espero vê-lo logo. Diga a todos meus outros parentes que eu disse alô.

Mr. Potter: Você desejaria tocar em lugares pequenos com audiências íntimas ao invés de mega produções?
Michael: Sim. Acho que é uma marca do verdadeiro artista, ser capaz de alcançar qualquer audiência em todo o mundo, qualquer tamanho. Se você puder se relacionar com um grupo pequeno, a mágica começa a acontecer. Eu comecei fazendo esses tipos de concertos. Neste Natal estou fazendo um especial para a HBO, e é íntimo. É de perto. Vai me deixar fazer muitas coisas que nunca fiz antes.

Gary: Eu gostaria de saber qual é a canção que você mais gosta e se você ainda tem seu macaquinho chamado Bubbles que foi mostrado em seu videogame.
Michael: Se eu tivesse que escolher uma canção, seria muito difícil. Provavelmente "Ben", "Got To Be There", uma das antigas. Bubbles ainda está vivo e ainda é meu chimpanzé. Ele está maior, gosta de comer muito... muita pizza, muito sorvete... ele adora aperitivos.

MJJ: O que mais você quer efetuar em sua vida?
Michael: Eu amo filmes. Meu sonho é fazer filmes, não somente atuar neles, mas também dirigi-los. E eu amo animação.

Brett: Se você pudesse ser um super-herói, como Batman, Super-Homem, quem você escolheria ser e por quê?
Michael: Gosto muito de Batman. Se eu pudesse escolher um, seria Murph do X-Men. Ele se transforma constantemente. Acho que ele até pode se teleportar, o que é interessante e animador para mim. Ele não é tão popular quanto os outros, mas ele é instigante.

Darkan: Você fará uma turnê pela América?
Michael: Não tenho certeza. Nós agimos de forma espontânea. Seria legal, mas não estou certo.

Jim: Quero saber se você desejaria andar pelos lugares sem ser reconhecido?
Michael: Eu tenho todo tipo de disfarce. Meu sonho é ir a qualquer lugar... como o Morph... se transformar, assim, ninguém saberia quem sou. Amaria fazer isso. É meu sonho.

Ally W: Oi Michael. Você tem uma voz incrível. Por quem você foi mais influenciado?
Michael: Obrigado pelo elogio. Para ser honesto, eu diria que meu primeiro amor e apreciação pela música foi clássica. No jardim de infância, Tchaikovsky, a grande escrita de Richard Rodgers e Oscar Hammerstein, e outros. Eu amo melodias.

Brian: Seu novo álbum está fazendo o que você esperava? Em frente MJ!
Michael: Sim, estou excessivamente excitado sobre o desempenho do álbum. É o álbum que vendeu mais rápido em minha carreira. Apesar do que a imprensa está dizendo, foram vendidas 7 milhões de cópias mundialmente na primeira semana.

Jocelyn: Quando o álbum do 3T estará nas lojas?
Michael: O 3T está sendo esperado neste Natal. Eles serão bem-sucedidos.

Marile14: Em sua entrevista com Diane Sawyer, você mencionou que iria se mudar do país. É seu plano futuro?
Michael: Sim, é.

Rros: Qual o lugar do mundo que você mais gostou de ter conhecido e para onde você gosta mais de viajar?
Michael: Meu lugar favorito, para onde viajei, provavelmente estaria entre a América do Sul e a África porque eu amo as pessoas e amo a cultura. O empenho das crianças é muito interessantd e eu amaria continuar a viajar, para ver mais pessoas e ajudar mais pessoas.

Blondie101: O que te inspirou a escrever a canção "Beat It"?
Michael: Quincy Jones, na época do álbum Thriller, me pediu para escrever uma canção que caísse mais para o rock. Eu disse sim, posso fazer isso. Assim, no mesmo dia eu fui ao estúdio de gravação e literalmente comecei a cantá-la. Veio literalmente rápido. Cada canção é diferente. O processo de gestação de "Beat It" foi muito rápido, foi incrível. Eu pensei o que eu faria naquela situação... Um confronto com uma gangue... Eu não seria como as outras pessoas. Do jeito que eu cresci, eu daria a outra face do rosto sem criar uma guerra ou ser um covarde.

Brandon: Eu vim de uma família grande. É difícil para você ver a hostilidade entre sua irmã La Toya e você mesmo. Você parece estar acima de todas as fofocas que os outros amam espalhar. Eu só quero dar a você os parabéns pela sua maturidade.
Michael: Ai meu Deus... muito obrigado! Eu te amo. Obrigado.

Curveball: Existirá um próximo álbum?
Michael: Não tenho certeza. Este pode ser o meu último álbum. Sempre criarei música mas não tenho certeza se criarei outro álbum.

Midway Gal: Como você entrou na música?
Michael: Acho que não sei responder isso sem parecer filósofo. Nunca tivemos lições de música ou de dança. Fomos uma família que cantava o tempo todo. Assistíamos TV. Divertíamos a nós mesmos, afastávamos os móveis da sala de estar para dançar. Acho que você nasce com um dom e é compelido a criar. É o que sempre senti. Me lembro quando eu era pequeno e fazíamos canções enquanto chovia lá fora. Janet e eu brincávamos de compor canções enquanto lavávamos os pratos, fazíamos a limpeza. Acho que a maioria das crianças não fazem isso hoje em dia. Foi nosso destino.

Even Beevu: As idéias de todos os seus vídeos são suas?
Michael: Muitas delas. Muitos conceitos vêm de mim. Depois de cantar "Thriller" eu sabia que eu queria fazer um curta-metragem. Um sujeito simples sai com uma garota e confessa que ele é diferente. Eu queria transformar em coisas diferentes. Foi divertido. Me diverti muito ao fazê-lo. "Beat It" é outro conceito que veio de mim. Confronto de duas gangues, história do velho oeste. Eu queria membros de gangues reais. Eu queria ver truísmos reais, no andar, no personagem, nas roupas. Acho que deu certo.

Pelon: Qual foi a realização musical da qual você tem mais orgulho?
Michael: Uma delas - é uma pergunta difícil de responder porque eu não sou uma mulher - mas escrever uma canção é como conceber uma criança. Eu amo todas as canções. "We Are The World" é uma das coisas que mais gostei de ter feito. Tenho orgulho daquilo, alcançou muitas pessoas, tocou muitas pessoas. Minha secretária ligou quando eu estava no carro e disse para eu estacionar. E foi como uma oração quando todas as rádios a tocaram. Chorei.

MJJ: Qual é seu processo para criar um ritmo com as batidas da voz e adaptar num álbum, como você fez em "Who Is It" e "Tabloid Junkie"?
Michael: O processo é criar um ritmo para a faixa - que é um som, uma batida com tempo. E você faz as batidas com a boca para aquele som. Esses sons podem ser gravados e trabalhados no computador para serem repetidos. Esta é a base para a faixa inteira - tudo toca sobre isso. É o ritmo, como o ritmo da caixa de batidas. Cada canção que escrevi desde quando eu era pequeno foi feita desse jeito. Eu ainda faço assim.

Smufetty: Eu te amo e tenho aparecido sua música desde que a ouvi e a vi. Só uma pergunta: como você pode continuar quando a mídia torna tudo tão difícil?
Michael: Obrigado pelo seu elogio. Acredito em meu trabalho, como eu disse, eu tenho grande segurança em meus sonhos. Quando eu tenho uma grande ideia, tenho uma vontade de ferro, mesmo com as histórias negativas que a mídia cria para vender mais jornais. Se você olhar para trás, e não estou tentando colocar meu nome com os nomes do passado, foi a mesma coisa. Ghandi, Cristo, e não estou dizendo que sou Cristo, não quero ouvir a imprensa dizendo isso. Algumas das piores atenções tem a ver com ignorância da parte das pessoas por causa da imprensa ruim. Se aconteceu com eles, pode acontecer comigo.

Tristene: Quem é seu melhor amigo?
Michael: Como eu tenho dito, as crianças do mundo, por sua inocência, simplicidade e amor. É o mesmo tipo de inocência que encontro nos animais. Eles apenas te querem por seu amor e eu amo isso.

MJJ: Segundo os boatos (e sei que você odeia essa palavra) você estaria escrevendo outro livro. Você planeja outro livro, e em caso afirmativo, o que ele conteria?
Michael: Escrevi um livro chamado "Dancing The Dream". Foi mais autobiográfico que "Moonwalk", o que fiz com a sra. Onassis. Não está cheio de fofocas e escândalos e todo esse lixo que as pessoas escrevem. Então, eu acho que as pessoas prestarão atenção, mas veio de meu coração. Foram composições, pensamentos, e coisas nas quais eu pensava enquanto estava em turnê. Não estou planejando escrever outro livro. Se você quiser saber como me sinto, você pode verificar o álbum History. É um livro musical.

Gemseeker: Quando e como você aprendeu o moonwalk? Acho tão legal...
Michael: Muuuito obrigado! Sempre amei a dança de ilusão, que é quando você pode criar um passo ou ilusão com o corpo. Há um novo passo que parece que você desafia a gravidade no qual estou trabalhando por um longo tempo. Um dos meus dançarinos favoritos é Marcel Marceau. Mas muitos dos passos que eu faço vêm do meu coração, muitos passos vêm da comunidade negra. Das danças, das batidas, danças congeladas, ao Charleston. Todas essas danças vieram da comunidade negra para ir a todos os lugares do mundo.

Jamie Ballengee: Sr Jackson, que aviso você daria a alguém que esteja numa posição parecida com coisas ruins da imprensa? Minha irmãzinha Andrea Ballengee perdeu sua coroa de Miss Estado da Virgínia.
Michael: Não preste atenção. Você se torna forte, vá em frente. O melhor aviso que posso dar é para acreditar em você mesmo, sabendo que existe um amanhã, ande com confiança... não preste atenção ao lixo...  é uma completa ignorância.

VanishR29: O que você acha da tecnologia como a internet e seu efeito na sociedade?
Michael: Acho que é maravilhosa. É uma maneira maravilhosa de se corresponder. Está crescendo e isto é a ponta do iceberg. No ano que vem veremos crescimentos incríveis em tecnologia e espero que eu esteja por aí para ver. Eu rezo para que continuemos a servir ao mundo de um jeito positivo, sem ferir ninguém, porque é maravilhoso.

MJJ: A que ponto você está envolvido com outros grupos do selo MJJ?
Michael: Muito, não a ponto de sempre estar lá, mas ouço as fitas, falo com eles por telefone, escolho artistas,  recomendo idéias. O novo álbum do 3T, o qual já ouvi, acho que será um grande sucesso. Creio nisso.
Quero dizer um oi a Bill Bellamy em Los Ângeles. Ele é um grande cara. Obrigado! Boa noite a todos. Falo com vocês logo. Tchau!

terça-feira, 15 de maio de 2012

LIVRO/REVISTA MAKING HISTORY: FOTOS E ENTREVISTA COM MICHAEL



SOBRE O LIVRO:

Um livro ricamente ilustrado com fotografias a cores, uma entrevista exclusiva com o Rei do Pop.
 

Michael Jackson falando abertamente sobre a History World Tour, sua música e futuro.
 

Um olhar sobre os singles mega-hit e vídeos do álbum History, incluindo "Scream", "You Are Not Alone", "Earth Song" e "They Don't Care About Us".
Espetacular short-film de Michael, "Ghosts".
 

Este livro foi compilado por Adrian Grant, um colaborador próximo de Michael Jackson nos últimos dez anos. MAKING HISTORY oferece um vislumbre por trás das cenas de maior estrela do mundo pop em ação.

O livro contém um lindo poster de Michael, bem como as letras das músicas "Scream", "Childhood" e "History", tendo início com uma citação de Elizabeth Taylor sobre Michael:

"Eu penso que ele é uma das melhores pessoas a bater este planeta. "


Michael assinou nada menos do que 400 impressões deste livro.

AS FOTOS 



  















A ENTREVISTA:

AG: Ao longo da sua carreira você constantemente levou sua arte para um outro nível. Como você vê suas apresentações ao vivo no futuro?
 

MJ: Eu não quero mais fazer turnês mundiais, ou pelo menos não acho que farei. Eu quero passar o resto da minha vida gravando discos e filmes. Eu farei algumas apresentações especiais aqui e ali porque eu amo me apresentar, mas eu venho fazendo isso desde que tinha cinco anos. Agora, quero criar algo memorável para os próximos cem anos, e eu quero que seja nos cinemas.

AG: Você quebrou muitos recordes na sua bem sucedida turnê History. É difícil se manter motivado a cada show, depois de mais de trinta anos se apresentando?
 

MJ: Eu geralmente vou para uma apresentação sem sentir que faço como se fosse um trabalho, assim que chego lá eu sinto a energia da platéia antes mesmo de subir no palco. E a mágica toma conta – não importa o que você sente, se está doente terminal ou fatigado – de repente você só quer ir lá e fazer. A energia que vem de nenhum lugar. É como se fosse Deus lhe abençoando.

AG: Que satisfação pessoal você ganha em cada turnê?
 

MJ: Vendo todas as raças juntas, é o que amo mais. Todas as cores na platéia, amando-se uns aos outros, ligados uns aos outros e curtindo a música - algo extraordinário!

AG: Você já viajou por diversos países ao redor do mundo. Você pode me dizer sobre a sua admiração pelo Brasil, e a experiência que voê teve ao filmar o clipe They Don’t Care About Us?

MJ: Eu amo os brasileiros, eu sinto por eles o mesmo que eu sinto pelos indianos e africanos. Há muita pobreza no Brasil e eu deixei parte do meu coração com eles desde a primeira vez que estive lá.  Você sabe que há pedaços do meu coração em diferentes países em que eu viajo ao redor do mundo. Eu tenho muito do meu coração para as pessoas. Você já foi ao Brasil?

AG: Não, eu nunca fui, mas espero um dia, especialmente para o Carnaval.

MJ: É incrível. As pessoas são tão doces e eles estavam tão felizes em me ver. Você sabe, eles estavam explodindo de excitação e eu estava muito feliz em estar lá por eles. Eu gostaria de ter feito mais, eu me sinto mal por não ter feito o suficiente, eu realmente sinto.

AG: Por que você escolheu o Spike Lee para ser o diretor do vídeo?
 

MJ: They Don't Care About Us tem a sua aspereza, e o Spike Lee tinha se aproximado de mim. É uma música de conscientização política, e é sobre isso que ele trata. É uma espécia de canção de protesto – não é uma canção racista, é uma canção anti-racismo e eu achei que ele seria perfeito para fazer isso.

AG: Você escreveu uma canção chamada 'Money'. Sendo um milionário desde que era um garoto, qual a importância que o dinheiro tem para você?
 

MJ: Eu acredito que seja o que faz as coisas acontecerem...para preencher alguns dos seus sonhos você precisa de um apoio financeiro. No entanto, eu acho que tudo começa com um pensamento, por exemplo se você planta uma semente e você mesmo a cultiva, tudo surge a partir dali. Eu nunca realmente pensei sobre isso quando era pequeno, eu sempre senti que eu era compelido a fazer aquilo que eu quisesse.

AG: Você não encontra dificuldade em relacionar as necessidades e a dor de sofrer por ter aparentemente tudo o que você deseja?
 

MJ: Não. Não, de forma alguma. Sendo um viajante do mundo, eu me sinto tocado e comovido por tudo o que acontece, especialmente com as crianças. Isso me deixa emocionalmente doente, e passo por muita dor quando vejo esse tipo de coisa. Eu não posso fingir que não vejo. Isso me afeta muito. Por alguma razão há uma certa parte do meu show que me emociono e no holofote eu tenho um certo pensamento – eu acho que é a situação difícil das crianças e isso me atinge o tempo todo. Eu não sei porque naquele lugar, É durante I'LL BE THERE, os pensamentos apenas vêm até mim e duramente tento me conter.

AG: Qual a sua canção favorita no álbum History e por quê?
 

MJ: Minhas canções favoritas são Earth Song, Childhood e You Are Not Alone porque eu gosto das canções com emoções e mensagens, e um sentido de imortalidade. Eu gosto de letras que tenham profundidade, assim como melodias simples onde todo mundo pode cantar junto com elas. Isso foi o gol que fiz, capturar isso nessas canções e acho que cheguei bem perto. Não importa o local onde esteje a turnê, as pessoas amam essas canções, e eu me sinto muito satisfeito por tê-las feito.

AG: Você gostaria de dizer que há um tema recorrente em todo álbum HIStory?
 

MJ: É tudo sobre as pessoas olhando para suas vidas, e fazendo algo com elas mesmos – criando um legado que você possa olhar para trás e ver o que você fez. Eu sempre quis isso, e por isso gosto de trabalhar muito duro.

AG: Como foi que surgiu a sua colaboração com R. Kelly em 'You Are Not Alone' ?
 

MJ: R. Kelly me enviou uma fita com a canção e eu gostei do que ouvi. Não tinha harmonia nem modulação, mas disse para ele que ele que tinha escrito a canção mas se ele concordaria que eu acrescentasse algo que eu pensava que deveria ter. Ele disse "claro", então fui lá e a produzi. Coloquei um coral no final e fez uma grande modulação então a canção teve um sentido de climax e estrutura.

AG: Por que você decidiu incluir um cover dos Beatles a canção 'Come Together' no álbum History?
 

MJ: Estava chegando em casa da igreja e meu produtor estava brincando com essa canção, a qual não tinha pedido a ele para fazer, mas quando eu escutei disse : WOW! Essa é a minha canção favorita dos Beatles. Então eu fui lá e gravei em um take. Nós fizemos com que ficasse mais crua e funky. Foi algo espontâneo, mas eu sabia o que queria fazer com ela.

AG: Você diria que agora você compõe sua música de um ponto de vista mais pessoal, comparado com o som totalmente disco que você fazia no início das suas composições?
 

MJ: Eu nunca cataloguei música porque eu nunca sento e digo que hoje vou escrever canções disco, pop ou rock. Eu simplemente escrevo de acordo com a minha emoção, de acordo com o que estou pensando no momento. Eu crio e praticamente me sinto culpado colocando meu nome nessas canções que escrevo porque elas vêm de uma outra fonte. Eu sou apenas um funil onde elas vêm, eu realmente acredito nisso. Elas vêm lá de cima. Elas me escolheram, eu não as escolhi.

AG: Blood On The Dance Floor é um título bem chamativo. É uma canção que trata sobre a AIDS?
 

MJ: Não é, não é mesmo. Na verdade eu não criei o título, foi meu produtor (Teddy Riley) que bolou o título, e que achei bem legal, então eu escrevi a canção a partir do título. E então eu cometi um engano, pelo qual peço desculpas, mas eles não mostram isso na TV. Eu estava  na Inglaterra por volta de 1993, e o Elton John me deixou usar a casa dele. Ele foi tão doce e gentil, e eu pensei que não tivesse agradecido a ele. Então eu decidi dedicar ‘Blood On The Dance Floor’ para ele. Mas depois isso surgiu e eu disse ‘Por que eu não dediquei uma outra, de tantas que havia, como ‘You Are Not Alone’ ou alguma outra? Então sempre achei que deveria pedir desculpas a ele por isso – é a maneira dele de ser tão gentil. Ele é uma pessoa maravilhosa.

(Uma chamada é recebida a respeito de seu filho, Prince. É seu primeiro aniversário hoje, e Michael em breve estará com ele quando ele retorna de uma pequeno passeio de compras.)

AG: Você sente que há uma conexão com o que veio acontecendo com a Princesa Diana, nas muitas canções no álbum History quando você fala a respeito do seu tormento pessoal e a perseguição que sofre dos outros?
 

MJ: Sim eu sinto, e muito. Eu acho que a compreendia. Nos momentos em que estivemos juntos, foram momentos muito íntimos e pessoais, nós conversamos a respeito de vários assuntos. Eu acho que foi uma tragédia, uma perda trágica. Eu sinto que pessoas como eu e outros artistas deveriam carregar a tocha que foi a missão dela e eu acho que tinha esse discernimento, é o que quero fazer. Eu a achava brilhante.

AG: Você acha que Tabloid Junkie dá destaque a toda circunstância trágica que envolveu a morte da Princesa Diana?
 

MJ: Sim, os tablóides são um maço de lixo. Eu acho que deveria haver uma maneira de destruí-los. Nós deveríamos criar uma grande queima, como em estádios ao redor do mundo. Pilhas deles juntos. Eles são uns intrusos. É algo horrível. A maneira como eles te caçam e invadem a sua privacidade, é terrível. Eles criam algo feio, eles nunca pensam em como a pessoa se sente quando lê aquilo que eles escrevem.

AG: Quando e como você surgiu com a idéia de fazer o fabuloso curta-metragem Ghosts?
 

MJ: Começou com a Família Addams, eles queriam um tema (Is It Scary) para o filme deles, mas no fim eu não queria mais fazer, então caímos fora. Eu decidi então fazer meu próprio curta-metragem. Eu amo filmes, eu amo cinema e é o que quero para o próximo capítulo da minha vida – filmes e álbuns. Não há mais lugares para ir. Eu farei filmes, álbuns e dirigir, porque eu amo fazer isso. 

AG: Quais pessoas e eventos na história mundial que tem uma parte significante para sua vida e por quê?
 

MJ: Eu diria que John F. Kennedy, porque isso marcou a minha geração quando era pequeno. Eu acho que ele foi um grande presidente para a América. Eu vi algo sobre o movimento pelos direitos civis na televisão mas nunca participei pessoalmente, mas afetou todo mundo. 

AG: Que tipo de filmes você veria si mesmo?
 

MJ: Tudo, não somente musical, mas drama, fatos. Eu adoro isso.

AG: Como você gostaria que a História retratasse Michael Jackson?
 

MJ: Eu acho que como alguém que deu toda a sua habilidade e talento para fazer o que faço, salientar as mensagens de amor e paz, o sofrimento das crianças em todo o mundo e levar isso a um nível universal. Isso foi criado através da música, da dança e dos filmes – Eu acredito que essa seja a MINHA MISSÃO e estou muito feliz por ter sido escolhido.
 
O AGRADECIMENTO

Para comemorar minha associação de dez anos com Michael Jackson, eu apresentei esse quadro maravilhoso (direita) para ele em 12 de fevereiro de 1998. Desnecessário dizer que Michael estava realmente feliz com a homenagem, que foi criada pelo artista britânico Vincent McKoy. A pintura a óleo original é intitulada Making History, e agora trava com orgulho na casa de Michael.

No dia seguinte, sexta-feira 13 de fevereiro, não sorte para alguns, mas não para mim mesmo, eu entrevistei Michael para este livro. Eu fui tão privilegiado de Michael fazer tempo para me ver, pois era o primeiro aniversário de seu filho, Prince.

Que maneira fantástica e memorável para marcar os dez anos a minha relação de trabalho com Michael. Nesse tempo muitas coisas aconteceram, boas e ruins - para mim, mas muito mais ainda para Michael. As pessoas têm ido e vindo, os boatos têm circulado e mentiras foram contadas, mas ajuda a lembrar de onde começou o seu caminho. Se você acredita em você mesmo e tem sido verdadeiro, você vai superar os obstáculos colocados diante de você.

Neste livro eu incluí a letra de três canções muito especiais do álbum History. A letra de 'Childhood' está aqui porque eu sei que eles significam muito para Michael. No entanto, a letra de Scream e Históry refletem algumas das minhas próprias tribulações pessoais neste momento que foi escrito. Acredito que é uma das razões que amamos Michael, não só ele é o maior performer do mundo, capaz de nos fazer sorrir com um cantor único, mas ele também é um grande poeta cujos pensamentos podem verdadeiramente tocar-nos. Ele é um filho do universo e as ações de seu amor e sabedoria com todos nós.

Meu trabalho me levou ao redor do mundo, dando-me uma visão e força que nunca poderia ser comprado. Talvez eu tenha sido picado algumas vezes, mas os sonhos que eu já vivi são os trampolins para o meu futuro paraíso.

Michael Jackson e seus dedicados membros da equipa, como Bob Jones, são pessoas notáveis. Eles têm estado no topo de sua profissão por mais de 30 anos. Eu olho para eles, e eu estou contente que eles tenham confiado em mim com tanto de seu tempo e espaço. Obrigado.

Michael é uma verdadeira estrela e uma lenda. Ele foi tão doce e honesto ontem como foi a primeira vez que nos conhecemos. Enquanto algumas pessoas ao meu redor mudaram e perderam de vista o caminho, Michael continua a ser uma luz que irradia para todos nós.

Obrigado Michael, você é uma verdadeira inspiração ... Adrian Grant.